O que é "Inovação Social"?

Será que
alunos do ensino médio
estão sendo
devidamente preparados
para abordar esse tema?

Talvez eu esteja enganado, mas acredito que, no Brasil, são poucos os professores que ensinam a seus alunos o que é "inovação social". Também acho que, mesmo entre os poucos que ensinam isto, são raros os que ensinam o conceito mais adequado para tal expressão, inclusive porque é uma expressão que pode abranger vários conceitos, embora todos estejam interligados. Há professores de Língua Portuguesa que ensinam que "inovar" é criar algo novo. Tal significado para este verbo não é correto. "Inovar" é trazer inovação. Ou seja, é tentar realizar o que já foi tentando, porém de uma nova maneira. "Inovar" é também produzir o que já foi produzido, mas acrescentando melhorias. 
Houve inovação, por exemplo, quando já existia a transmissão de televisão em preto e branco e alguém teve a ideia que transformou em realidade a transmissão em cores. Houve inovação quando, depois que já existia a telefonia, surgiu a telefonia móvel e, nesta área, vieram novas inovações que transformaram o telefone celular num "computador de bolso" através do qual se pode inclusive acessar a Internet. Existem inúmeros exemplos de inovação nos avanços da tecnologia, nas coisas que acontecem no dia-a-dia num ambiente de trabalho, nos afazeres domésticos, etc. Toda vez que você procura fazer algo de um jeito melhor do que já faz, isto é inovação.
Todos os temas propostos para redação no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), desde sua primeira edição, sempre foram de cunho social. Dizem que as redações no Enem têm que ser "dissertativas e argumentativas" (o que é uma redundância, pois é impossível dissertar uma questão social sem argumentá-la), os estudantes precisarão propor nos textos ideias inovadoras para solucionar problemas sociais. Como todos sabemos, o ensino no Brasil ainda é de péssima qualidade, o que nos faz duvidar que os alunos tenham essa capacidade. Cabe-nos, portanto, ajudá-los tanto quanto pudermos. Aos professores, cabe a obrigação de ensinar da forma mais correta possível.
Já está explicado acima, embora em termos simplistas, o que é uma inovação. A partir disto, tracemos uma linha de raciocínio para conceituar "inovação social". O termo pode ser usado para se referir a processos que incluam métodos e técnicas que permitam modificar, e não eliminar totalmente, sistemas sociais já existentes, adaptando-os para as necessidades exigidas pela era atual. Queiramos ou não, o mundo muda constantemente e, com isto, praticamente tudo em nossas vidas tem que ser mudado, principalmente velhos hábitos e conceitos. 
Eis aí a razão pela qual podemos resumir o conceito de "inovação social" como a realização de novas estratégias, a criação de novos conceitos e o estabelecimento de novas organizações para atender às novas exigências de novas realidades sociais de todos os tipos. Isto inclui inovações no ambiente de trabalho por iniciativa da empresa mas também ao mesmo tempo do próprio funcionário, no sistema de ensino (do fundamental ao superior), no desenvolvimento de comunidades e em tudo que diz respeito ao que se chama "sociedade civil", que é o conjunto de todas as organizações sociais e seus mecanismos de existência e sobrevivência. 
Além disto, fala-se muito em "inovação social no primeiro, no segundo e no terceiro setores. Com esse nível de qualidade no sistema de ensino brasileiro, será que são muitos os professores que ensinam aos seus alunos o que são esses setores? Acredito, mesmo, que muitos dos próprios professores nem saibam o que são esses setores. Seriam necessários artigos mais longos do que estes para conceituar detalhadamente cada um deles, mas de um modo genérico pode-se dizer o seguinte:
  1. O Primeiro Setor é o setor público. É aquele que é formado pelos órgãos públicos, que são geridos pelos governos municipais, estaduais e federais. Isto inclui serviços oferecidos pelos governos nas áreas de saúde, educação e diversos tipos de prestação de serviços aos quais todos os cidadãos têm direito.
  2. O Segundo Setor é mais conhecido como "setor produtivo", "iniciativa privada" ou simplesmente "mercado". Tal como o Primeiro Setor, tem uma função sociológica, pois exige estudos do comportamento humano em função do meio e dos processos que relacionam cada pessoa a associações, grupos e instituições (famílias, clubes, igrejas, colegas de trabalho, etc.).
  3. O Terceiro Setor inclui todas as atividades da iniciativa privada que sejam de utilidade pública e originadas da sociedade civil. Nessa área os estudos sociológicos busca definir as organizações sem vínculos com as características dos outros dois setores. É formado por entidades com finalidades públicas (atendimento às necessidades do público em geral) e sem finalidades lucrativas. Em termos mais simples, tais entidades são mais conhecidas como Organizações Não-Governamentais (ONGs). 
Se você é aluno do ensino médio ou do superior, creio que as informações acima possam lhe ajudar a fazer boas redações a respeito. Entretanto, não se contente apenas com elas. Pesquise tudo que puder a respeito para aprender mais, e exija que seus professores lhe ensinem mais sobre isto. É seu direito e sua obrigação aprender tudo isto, e lhe ajudar a aprender é obrigação dos professores - mesmo que eles não estejam satisfeitos com os salários e as condições de trabalho (os responsáveis por isto são os governantes, não os alunos).

As Diferenças e Relações entre Teses e Dissertações nas Redações

As redações acadêmicas têm 200 ou mais páginas.
Às vezes,
a tese é confundida
com a hipótese.


Em linguagem coloquial, a palavra "tese" é usada com o significado de "hipótese".  Isto ocorre, por exemplo, quando dizemos que "em tese, todos nós somos iguais perante as leis". Entretanto, se tomarmos por exemplo qualquer experiência científica, aprendemos que ela consiste basicamente em três etapas, nesta sequência: a hipótese, a tese e a demonstração. Isto nos faz concluir que a hipótese e a tese são coisas que, unidas, facilitam a comprovação, mas são coisas diferentes. 
De fato, uma hipótese de uma suposição ou uma especulação que pode ser comprovada ou descartada na evolução da experiência. A hipótese é usada numa redação sempre que o autor inicia sua argumentação. A hipótese é o principal fator que ajuda a fazer com que a teoria possa ser comprovada através da prática. Ela não trás afirmações definitivas, mas é o primeiro passo para isto. É ela que inicialmente trás um conjunto de condições (numa redação, as ideias) para possibilitar uma demonstração. "Demonstração", neste caso, não é a comprovação que se faz através de uma realização prática. Numa redação, a demonstração é o argumento dedutivo, considerado válido, bem fundamentado. Por isto, tal como na experiência científica, numa redação as etapas hipótese, tese e demonstração, nesta sequência, também devem ser bem consideradas.
A tese vem da palavra grega "tesis", que significa "posição". Na redação, essa "posição" é na verdade uma espécie de proposta. É por isto que no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), por exemplo, exige-se que, na redação, o aluno exponha seus argumentos e também proponha soluções viáveis para os problemas relacionados ao tema abordado. Já que o texto tem que ser dissertativo, ele terá que ser bem informado sobre o tema proposto, e terá que comprovar suas informações com base em fatos que fundamentarão seus argumentos na dissertação. Ao dissertar, ele apresenta e discute seus próprios argumentos. No caso de uma tese em redação acadêmica, o texto precisa conter cerca de 200 páginas. Veja a razão disto lendo aqui. A dissertação acadêmica também tem suas peculiaridades. Veja-as aqui.

Faça Redações Modernas Mantendo o Bom Nível de Formalidade.

Faça sua redação com recursos modernos,
mas mantenha os padrões de formalidade necessários.
É possível
e necessário
modernizar o texto
mantendo a linguagem formal.

No jornalismo, costuma-se dizer que "redação" é a forma pela qual o redator constrói a notícia num texto baseado nos fatos apurados pelo repórter. Em muitos casos o redator é o próprio repórter. A redação jornalística tem como base principal a informação mais relevante. O mesmo ocorre quando se faz uma redação no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), num vestibular, num concurso público ou em qualquer outra ocasião. Isto significa que o primeiro parágrafo deve conter informações com o objetivo de preparar o leitor para o que ele lerá, ou seja, para melhor entender o tema que está sendo tratado. Isto se chama "lide" - "aportuguesamento" da palavra "lead", palavra inglesa que significa "o que vem pela frente", e da qual se originou a palavra "líder", no nosso idioma.
Nas áreas de publicidade e propaganda  - que são duas coisas diferentes - o foco da redação tem que ser a elaboração criativa de mensagens sobre produtos, serviços, marcas e pessoas (no caso de propaganda política ou de atividades profissionais, por exemplo). Como o nome já indica, "publicidade" é uma atividade que tem por função tornar algo de conhecimento público (um produto, uma marca, uma empresa, uma pessoa, etc.). "Propaganda" é o ato de propagar algo. "Propagar" tem vários significados: "espalhar", "divulgar", "publicar", etc., mas com o intuito de promover o que está sendo publicado ou divulgado. Em termos mais simples: a publicidade de um produto informa ao público que o produto existe no mercado e a propaganda do mesmo busca convencer o consumidor sobre as vantagens que o produto tem para ele. Numa redação de publicidade e propaganda, unem-se as duas coisas.
Como se pode observar, as regras para a redação não mudam muito. O tipo de texto é que tem que ser bem elaborado para cada finalidade. Mesmo com as exigências do mundo atual, em que há a necessidade do imediatismo das mensagens via e-mail, WhatsApp, Messenger, etc., nos casos mais específicos - relações de trabalho, etc. - os padrões de redação precisam permanecer sendo aqueles de sempre. Os tipo de textos podem e devem ser modificados, usando-se termos mais modernos, mas sem perder o bom nível de formalidade. 
Enviar uma mensagem com finalidade de trocas de informações relacionadas a atividades de trabalho e profissionais em geral, para solicitar informações a uma empresa, um órgão público, etc., não é o mesmo que enviar uma mensagem qualquer para amigos ou familiares. Há a necessidade da preservação do bom senso. Ao fazer uma redação, o autor deve lembrar que um de seus objetivos é enviar informações através de um texto. Portanto, ocorre aí uma função referencial: a função informativa. Ela é a essência da comunicação. Por outro lado, as informações não são as únicas razões da redação. Elas são apenas as bases para a razão principal: a finalidade do envio da mensagem. Isto torna o cuidado com a linguagem usada extremamente necessário. 

A Diferença entre "Departamento de Recursos Humanos" e "Departamento de Pessoal"

Primeiramente, lembre-se:
a forma gramaticalmente correta

é "departamento de pessoal".

Em muitas redações empresariais, é usada a expressão "departamento pessoal". A expressão correta é "departamento de pessoal". Quando se diz que uma coisa é pessoal, isto significa que se trata de uma coisa individual, íntima, privacidade de uma pessoa. Porém, quando a palavra "pessoal" tem o significado de um conjunto ou grupo de pessoas, o que se refere a elas é para as pessoas, das pessoas ou de pessoas. Ou seja, é "para o pessoal", "do pessoal" ou "de pessoal". Portanto, um departamento ou setor que trata dos interesses dos funcionários de uma organização é um departamento ou setor "do pessoal" ou "de pessoal".
De qualquer forma, essa é uma expressão que aos poucos vem caindo em desuso. Gradativamente a palavra vem sendo substituída por recursos humanos. Isto tem um sentido significativo. "Pessoal", como já está dito acima, é simplesmente qualquer grupo de pessoas, mas "recurso humano"demonstra com clareza muito maior que essas pessoas são seres humanos e são os principais recursos com os quais a empresa ou qualquer tipo de organização pode contar para continuar existindo. É importante lembrar que "funcionário" não é apenas uma pessoa empregada. A palavra já nos diz algo bem mais abrangente: os funcionários fazem tudo na organização funcionar. No entanto, não seria conveniente chamar o setor de recursos humanos de "departamento de funcionários", já que todos os departamentos, embora tenham outros nomes segundo suas funções, são constituídos por funcionários e também tratam dos interesses específicos dos trabalhadores do setor.
Ao fazer sua redação aplicando a expressão "recursos humanos", lembre-se de que a gestão de recursos humanos (RH), também chamada "administração de recursos humanos", gestão ou administração de pessoas, é a aplicação de técnicas para administrar as relações entre os funcionários e a própria empresa ou seja qual for o tipo de organização (órgão público ou qualquer outro). Isto significa que, seja qual for o motivo da redação, a principal mensagem contida no texto deve ser sempre dirigida com o foco sobre os objetivos da organização com argumentos que demonstrem que esses objetivos têm que ser assumidos por todos os funcionários como se fossem também os deles, individual e coletivamente.

Assédio Sexual Pode ser Tema para Redação este Ano

Há casos de assédio sexual
praticado por mulheres também.
O tema 
tem sido muito debatido
recentemente.


Tem crescido no mundo, principalmente pelas redes sociais online, um movimento contra um tipo de crime conhecido como "assédio sexual". Isto fortalece sua possibilidade de se tornar um tema proposto para redações em provas este ano. Quem estiver se preparando para o próximo Exame Nacional de Ensino Médio e os próximos vestibulares deve estar atento a esses fatos.
"Assédio" é uma operação militar realizada durante uma guerra. Ocorre quando soldados se posicionam em torno de um território onde estão seus inimigos ou uma vila ou qualquer local que pretendem invadir e subjugar. Com base nisto, "assédio" também se tornou o ato de uma pessoa subjugar ou constranger outra por meio de um domínio excessivo. Vem daí a expressão "assédio sexual", que é a forma de obrigar alguém a atender a um apelo de cunho sexual. Este tipo de crime tem ocorrido principalmente em ambientes de trabalho, com consequências prejudiciais à pessoa assediada mesmo se ela se recusar.
O maior número de denúncias tem sido feito por mulheres na condição de vítimas contra homens acusados de serem os criminosos. Porém, há também casos de mulheres que assediam homens sexualmente. O golpe começa geralmente por meio de palavras aparentemente apenas carinhosas ou ditas como se fossem elogios. Em seguida, vem ações e gestos não desejados pela pessoa assediada. Isto acontece muito em locais de trabalho, em escolas e em muitos outros ambientes.
O assédio sexual é apenas um dos muitos tipos de assédio moral. Chama-se "assédio moral" qualquer tipo de atitude de uma pessoa ao expor outra a situações constrangedoras por meio de coerção. Essa atitude abusiva é um atentado à personalidade, à dignidade e à integridade psíquica e física do assediado ou da assediada. No ambiente de trabalho, o mais frequente é o assédio descendente - aquele que vem "de cima para baixo", isto é, "dos chefes para os subordinados". Esse tipo de assédio não é apenas sexual. Em muitos casos o objetivo é fazer o trabalhador produzir mais e sem receber o salário merecido, fazendo-o ter a impressão de que não está conseguindo chegar aos objetivos da empresa (e pode ser que esses objetivos até tenham sido superados).
O assédio sexual se evidencia por meio de avanços de caráter sexual, não desejados e não aceitos pelo(a) assediado(a), gerando uma atmosfera ofensiva. A coerção se dá, em muitos casos, por meio de violência física ou mental, ou ambas. Pode ter longa duração, por meio de frequentes piadas ou trocadilhos de cunho sexual, ou por um toque físico inapropriado. Seja como for, é crime, e o criminoso ou a criminosa tem que ser denunciado(a) e punido(a). 

Um Tema Sempre Possível: "Direitos Humanos"

Frequentemente
eles perguntam:
"Será que este ano

o tema será 
'Direitos Humanos'"?

Este parece ser o tema para redação que mais causa preocupação entre os estudantes de ensino médio no Brasil. Novamente, imediatamente após o início do ano, eles já perguntam se este será o tema a ser proposto para redação no Enem (Exame Nacional de Ensino Médio) deste ano. É possível, mas lembre-se: muitos temas propostos com outros nomes também são relativos aos direitos humanos: empregos, direitos trabalhistas, direitos políticos, moradia, saúde, transporte urbano, etc.
A pergunta dos estudantes sugere que eles querem saber exatamente o que são direitos humanos para, a partir disto, conectarem a expressão "direitos humanos" aos possíveis temas propostos. Neste caso, devem lembrar que são direitos humanos todos os direitos básicos das pessoas. Isto inclui direitos civis e políticos. São direitos civis os que são garantidos por lei em todas as nações. Por isto, há quem prefira tratá-los separadamente dos direitos humanos, considerando que "direitos humanos" são aqueles que já temos desde quando nascemos (ou antes disto). Pela mesma razão, alguns estudiosos preferem se referir aos direitos humanos não políticos como "direitos naturais".
No Brasil, os direitos políticos estão sujeitos às regras fixadas na Constituição Federal. Eles se referem ao direito de todos nós quanto à nossa participação no processo político. Isto inclui todos os nossos tipos de atuação na vida pública. Entre estes, um dos mais importantes é o nosso direito a eleger governantes (presidente e vice-presidente da República, governadores e vice-governadores dos estados e, nos municípios, os prefeitos e vice-prefeitos) e parlamentares federais (deputados federais e senadores), estaduais (deputados estaduais) e municipais (vereadores). No Brasil, o voto não é obrigatório. Os eleitores são obrigados a ir às zonzas eleitorais para votar nos dias das eleições, mas lhes é dado o direito de anularem seus votos. Os direitos políticos são evidentemente vinculados ao regime político e aos sistemas eleitorais e partidários vigentes em todo o país, em cada estado e em cada município. "Regime político" é o sistema pelo qual o governo federal, estadual ou municipal é organizado para exercer seu poder sobre a sociedade. 
Os direitos humanos propriamente ditos são de conhos político, econômico, educacional, social, cultural (embora educação e cultura sejam dois elementos relacionados ao social), etc. São direitos difusos, coletivos e individuais. Difusos, quando são amplamente divulgados. Coletivos, quando abrangem grupos de pessoas (uma família, os funcionários de uma organização, alunos de uma escola, etc.). Individuais, obviamente, quando se trata de direitos específicos de uma pessoa. 
Os direitos humanos são baseados na Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1948. Não devem ser confundidos com o Universalismo, que é uma doutrina religiosa em que se afirma que todos os homens estão destinados à Salvação Eterna porque Deus é tão bondoso que perdoa a todos. 

Como as leis são criadas?

Ilustração: Ciência Política
Como as leis surgem?
Quem pode criá-las?
Quem pode sugeri-las?

Quem as aplica e as administra?


Suponha que hoje você tivesse que fazer uma prova, e que nela tivesse que fazer uma redação sobre leis. Você provavelmente faria uma redação provavelmente com críticas a algumas leis, considerando-as justas ou injustas. Até aí, tudo bem, isto faz parte do que chamam de "processo democrático". Entretanto, é importante você lembrar que teria que apresentar bons argumentos em seu texto. Para saber o que são os argumentos e para quê eles servem, leia aqui.
Em se tratando de leis, considerar se elas são justas ou injustas apenas expondo seu ponto de vista, sem ter bases para saber por que elas existem, fará com que seus argumentos sejam fracos, por mais que eles pareçam ter sentido para você mesmo. Portanto, aqui vão algumas pequenas noções para ajudar você a se orientar sobre o caminho pelo qual deve começar sua pesquisa. Você provavelmente já sabe que as leis são criadas pelo Poder Legislativo, aplicadas pela Poder Judiciário e administradas pelo Poder Executivo. Sabe também que o Poder Executivo tem esse nome porque é ele que executa as leis. "Executar" significa "realizar", "cumprir", "fazer acontecer". O próximo passo é saber alguns detalhes sobre os Três Poderes.
No Brasil, há os três poderes em cada município, em cada estado e no âmbito federal. Num município, são o Legislativo Municipal (Câmara dos Vereadores), o Judiciário Municipal e o Executivo Municipal. No âmbito estadual, o Legislativo Estadual (Assembleia Legislativa, que é composta pelos deputados estaduais), o Judiciário Estadual e o Governo Estadual (exercido pelo governador, vice-governador e secretários e subsecretários estaduais). No âmbito federal, o Poder Legislativo é exercido pelo Congresso Nacional, que é composto pela Câmara Federal ou Câmara dos Deputados Federais e pelo Senado, que, como o nome indica, é composto pelos Senadores. Às vezes o Senado é chamado de "Senado Federal", uma redundância que deve ser evitada porque não existem senados estaduais ou municipais.
Ainda no âmbito federal, há o Poder Judiciário Federal e o Poder Executivo Federal, sendo este mais conhecido como "Governo Federal", e que é composto basicamente pelo presidente e vice-presidente da República e pelos ministros. Seja no âmbito federal, municipal ou estadual, nenhum dos três poderes assume suas principais funções de forma absoluta. O Executivo governa, mas os outros dois o auxiliam a governar. O Judiciário julga e pune, mas em alguns casos isto fica a cargo do Legislativo. São exemplos de casos julgados pelo Legislativo os processos de impeachment (dos prefeitos, pelas Câmaras Municipais; dos governadores, pelas Assembleias Legislativa, e do presidente da República; pelo Congresso) e alguns casos que são analisados por Comissões Parlamentares de Inquérito, mais conhecidas pela sigla "CPI". No âmbito federal, há CPIs na Câmara e no Senado. Nos estados, são formadas pelos membros da Assembleia Legislativa (deputados estaduais). Em cada município, pela Câmara Municipal (vereadores).
Há leis municipais, estaduais e federais. No âmbito federal, tanto o presidente da República quanto deputados federais e senadores podem propor a criação de uma lei. No estadual, o governador e os deputados estaduais. No municipal, o prefeito e os vereadores. Os chefes do Executivo são o presidente (Executivo federal), o governador (Executivo estadual) e o prefeito (Executivo municipal). A proposta é enviada ao Legislativo para ser discutida e aprovada ou reprovada. Esse período de discussão da proposta é chamado "período de tramitação". No âmbito federal, primeiro ela é discutida na Câmara Federal e, se for aprovada pelos deputados federais, será posteriormente encaminhada para apreciação no Senado. O caminho é inverso quando a proposta é criada por um senador.
No âmbito estadual, o projeto é avaliado pela Assembleia Legislativa. Se for aprovado pela maioria dos deputados, depois terá que ser sancionado pelo governador para se tornar lei. No governo federal, quem tem o poder de sancionar ou vetar o projeto é o presidente da República. No município, se for aprovado pela maioria dos vereadores, o projeto poderá ser sancionado ou vetado pelo prefeito. Em qualquer dos casos, os parlamentares (vereadores, deputados estaduais e, no âmbito federal, os deputados federais e senadores) podem propor modificações nos textos das propostas. Tais modificações são conhecidas como "emendas". 

Nas três esferas, o processo para a aprovação pode ser muito demorado. Há casos em que a tramitação dura anos. Ainda assim, quando o Chefe do Executivo veta a proposta, esta é enviada novamente ao Legislativo para uma nova votação. Em casos assim, os parlamentares têm direito ao voto secreto caso eles queiram votar a favor da nova lei e temam alguma forma de retaliação por parte do Executivo. É importante lembrar que uma lei só entra em vigor a partir da data em que ela é confirmada através de sua publicação no Diário Oficial da União (no caso de uma lei federal), do estado (se for lei estadual) ou do município.
Estes são os conhecimentos básicos sobre como surgem as leis. Por eles vocês já têm uma base razoável, mas não suficiente, para argumentar numa redação. Por isto sugiro que pesquisem mais a respeito. Sobre leis federais, vocês podem encontrar mais informações neste site do Senado. Sobre leis municipais, eu recomendo o site Leis MunicipaisNesta página do Portal da Legislação, há detalhes interessantes sobre as leis estaduais. 

Cuide do seu Marketing Pessoal

O que você expõe nas suas redações e nas suas postagens
releva muito mais sobre você do que talvez você imagine.
Suas redações,
suas postagens
e seus comentários
revelam seu marketing pessoal.

As redações que você faz em provas como o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), um vestibular ou um concurso público não revelam apenas suas opiniões sobre os temas, seus conhecimentos gramaticais ou seu domínio sobre os assuntos propostos. Elas revelam muito mais sobre você do que você imagina. Tudo que você escreve nas redações, tudo que você posta nas redes sociais online, em blogs, etc., e até mesmo seus comentários expõem o seu marketing pessoal. 
O marketing pessoal é algo tão importante que não é exagero dizer que sua profissão e sua sobrevivência dependem dele. Ele inclui os tipos de roupas que você usa, Seus tipos de calçados preferidos, como você se senta a uma mesa ou em qualquer outro lugar, o que você faz ou diz em qualquer situação. Enfim, seu marketing pessoal inclui tudo sobre como você se comporta de uma maneira geral, inclusive - e, atualmente, pode-se dizer "principalmente" - nas redes sociais da Internet. Atualmente, para conseguir emprego ou se manter nele, ou mesmo para conseguir sobreviver trabalhando por conta própria, a comprovação da capacidade profissional é muito importante mas não é suficiente. Tanto os empregadores como os clientes estão se tornando cada vez mais exigentes quanto à conduta moral e social das pessoas, considerando isto mais importante do que a habilidade e a experiência profissionais. O marketing, muitas vezes erroneamente confundido com "propaganda", é um processo de gestão empresarial. A propaganda visa promover produtos e serviços destacando suas supostas qualidades para consumidores  ou clientes em geral. O marketing determina que tipo de produto ou serviço pode interessar a um determinado tipo de consumidores ou de clientes e quais são as melhores estratégias a propaganda, as vendas e o desenvolvimento dos negócios.  Conclui-se, portanto, que o marketing pessoal, como o nome já diz, destaca como "produto" a própria pessoa, como profissional perante seus clientes e demais colegas e como indivíduo perante toda a sociedade. Os clientes e consumidores de qualquer tipo de produto ou serviço estão cada vez mais exigentes, de tal forma que a capacidade do profissional realizar seu trabalho é cada vez mais importante e que o cuidado com que ele deve ter com seu marketing pessoal é muito mais importante ainda. Isto não é uma mera formalidade. É uma importantíssima relação entre a capacidade profissional e o próprio profissional, incluindo sua aparência (as roupas que usa, etc.), suas condições intelectual e espiritual, etc., e suas relações com outros profissionais e as pessoas em geral. 
O que você escreve nas redações, faz na sua vida particular ou como você se comporta nas redes sociais tem muito a ver com isto. A relação entre sua capacidade profissional e suas características pessoais está no fato de que, como profissional, por mais que você invista em capacitação e especialização em sua área de atividades, isto não terá valor algum se suas atitudes pessoais não agradarem a seus clientes. É preciso que você demonstre ser uma pessoa interessante, muito bem informada sobre tudo que for de grande interesse para todos. É preciso que você tenha muita habilidade com os processos de comunicação, "network" ("trabalho em rede"), relação interpessoal, oratória, etc. Hoje em dia muitas pessoas se relacionam profissional e socialmente através das redes sociais online (Facebook, Twitter, etc.). Se você utiliza uma rede social postando palavrões, fotos inadequadas, etc., você corre sério risco de ficar desempregado e de não conseguir trabalhar nem por conta própria por toda a sua vida. 
Exagero? Não. Lembra-se daquela estudante de direito São Paulo que fez postagens que muita gente considerou como preconceituosas no Orkut? Por decisão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), ela ficou impedida de exercer a profissão de advogada. Teve que escolher alguma outra atividade para sobreviver, e ainda assim deve ter encontrado muitas outras dificuldades, pois ficou nacional e internacionalmente prejudicada por suas postagens.
Isto tudo está relacionado à necessidade de desenvolvimento pessoal. Esse desenvolvimento depende muito de um conjunto de diversos conhecimentos, conceitos, recursos e técnicas para o desenvolvimento profissional e a realização pessoal. Isto pressupõe um desenvolvimento observado através do comportamento pessoal - o falar, sobre o que falar, como falar, onde falar, com quem falar, como se vestir, como se comportar durante uma festa ou qualquer outro evento, etc. 
O desenvolvimento pessoal depende da demonstração de autoconhecimento, realização pessoal, realização profissional, planejamento pessoal, administração do tempo, comunicabilidade, capacidade de realizar empreendimentos importantes, capacidade de liderança, motivação, produtividade, controle financeiro pessoal, poder e marketing pessoal. O autoconhecimento tem por finalidade, neste caso, a busca de uma comprovação definitiva de que você é realmente senhor(a) de si mesmo(a), porém respeitando todos os direitos de todas as outras pessoas e mantendo o comportamento ético mais adequado possível. 
A comunicabilidade é referente ao grau de facilidade de comunicação. A comunicação é a troca de informações entre duas ou mais pessoas. Porém cada pessoa transmite sua informação ou interpreta a informação recebida de outras segundo sua formação educacional, suas experiências pessoais, suas próprias opiniões, suas emoções, etc. Por isto, quando você estiver fazendo sua redação, sua postagem ou seus comentários, pense nas muitas interpretações que outras pessoas poderão ter quando elas lerem seus textos. Cada pessoa tem seu repertório cultural exclusivo, e por isto entenderá as informações recebidas segundo suas interpretações pessoais particularidades, e as transmitirá suas a outras pessoas na forma como ela as entendeu, o que pode não ser o que você quis dizer. Isto naturalmente pode causar muitos choques culturais e evidentemente muitos problemas. Por isto antes que as postagens feitas em blogues e redes sociais online sejam publicadas, elas tem que ser muito bem pensadas, cuidadosamente elaboradas, e em muitos casos devem ser evitadas. 

Os Significados de "Perfil"

Dois exemplos de perfis:
um dos lados de um rosto
e
um perfil numa rede social online.
Numa rede social,
você não cria um perfil,
você revela o seu perfil.


"Perfil" é uma palavra com vários significados. Pode ser um dos lados do rosto de uma pessoa, um dos lados de qualquer coisa (animal, casa, carro, etc.) numa fotografia ou  num desenho, mas pode ser também o que uma pessoa revela a respeito de si mesma ou de outra pessoa. Na arquitetura, é a representação gráfica de um edifício com um corte perpendicular no sentido do topo para a base. Chama-se "perfil do solo" um corte vertical do solo desde a superfície até a camada da qual ele se originou. 
Atualmente a palavra é mais utilizada para significar a criação de um espaço numa rede social online, na qual a pessoa faz as postagens que quiser, expondo-as publicamente ou para um determinado grupo de pessoas. Esse significado, hoje aceito como correto, surgiu de um erro. Esse erro é cometido quando se diz que você pode "criar" seu perfil numa rede social. Seu perfil, neste caso, é algo que você já tem, não é algo que você "cria". Na rede social, você utiliza um espaço para mostrá-lo. Para isto, você cria uma página na qual você revela seu perfil. Revela-o, sim, por mais que você omita muitas coisas sobre você mesmo. Por meio do que você publica, as outras pessoas percebem coisas das quais você gosta, coisas que você detesta, etc. 
O perfil de uma pessoa é a descrição, pelo menos em parte, de sua conduta moral, de sua educação, de seu nível cultural, de sua profissão, etc. Como isto é exposto num espaço para essa finalidade, esse espaço também passou a ser chamado "perfil". Como você o cria para expor seu perfil, o próprio espaço passa a ser considerado como "seu perfil". Explicando-se isto com mais detalhes: nas redes sociais, blogs e comunidades virtuais (embora eu considere que redes sociais online também são comunidades virtuais), o perfil é um cadastro de dados pessoais, de contato e de preferências da pessoa. Alguns desses dados podem ser públicos, compartilhados com outros membros da rede, ou privados, dependendo de como a pessoa configura seu perfil e suas postagens (textos, fotografias, ilustrações ou vídeos). 

As Expressões Multipalavras

Estes conhecimentos
são importantes
para se fazer
uma redação moderna. 



Num sistema de ensino ainda tão falho quanto o que se aplica no Brasil, certamente há professores de língua portuguesa no ensino médio que nunca ensinaram a seus alunos uma coisa atualmente importantíssima - o significado de uma nova expressão: "expressão multipalavra". É muito provável que muitos desses professores sequer saibam o que são essas expressões. No entanto, as expressões multipalavras são elementos fundamentais no processamento de linguagem natural. "Linguagem natural" é a linguagem que nós usamos para nos comunicarmos com outras pessoas em nosso dia-a-dia.
hoje em dia não existe profissão que não dependa de conhecimentos mínimos na área de informática para sua execução. Grande parte dos processos de comunicação profissional e não profissional se dá através de veículos como e-mail, WhatsApp, Messenger, redes sociais online, etc. Ou seja, através da Internet. Por isto, nossa familiarização com a informática se torna cada vez mais necessária. É aí que entra a grande importância do que se chama "processamento de linguagem natural". Trata-se de um processamento pelo qual interpretamos linguagens codificadas - ou simplesmente "códigos" para decifrá-las para a "linguagem de máquina", de modo que os computadores, por exemplo, sejam capazes de "entender" os textos que digitamos. Por isto, enquanto digitamos, aparecem, nas telas dos monitores, notebooks ou seja lá qual for o tipo de aparelho, os sinais do tradutor automático: a máquina quer "saber" se a forma como digitamos a palavra está incorreta ou foi proposital, pois ele precisa "entendê-la" para que a ortografia seja corrigida ou mantida como está. 
Esses detalhes nos tornam cada vez mais familiarizados com a "linguagem de informática". Mesmo que não nos tornemos especialistas em ciência da computação ou de informática, nós a utilizamos tanto que nem percebemos o quanto já estamos inseridos nesses processos de transformação do uso de linguagem natural que levamos inclusive para o nosso "dia-a-dia". Até namorados, quando terminam o relacionamento, dizem: "eu o(a) deletei da minha vida". É claro que numa redação que exige certa formalidade tais expressões têm que ser evitadas, mas de qualquer forma muitas expressões multipalavras são inevitáveis e até mesmo uteis para facilitar a comunicação.
No entanto, para entender isto, os estudantes e todas as demais pessoas precisam entender, pelo menos em termos básicos, o que são as expressões multipalavras. Uma expressão multipalavra é qualquer expressão formada por palavras combinadas entre si causando um fenômeno chamado "idiossincrasia". "Idiossincrasia" é a maneira pela qual uma pessoa reage a uma influência exterior. Numa redação, a idiossincrasia é a sensação que as expressões usadas no texto causarão em quem o lerá. Eis por que tais conhecimentos são importantes: o autor da redação terá que ter muito cuidado com as expressões que usa e as formas como elas poderão ser interpretadas.
Uma expressão multipalavra mal empregada causa dificuldades ao processamento de linguagem natural porque sua limitação quanto a recursos linguísticos limita também o desempenho de meios que facilitem a informação. Isto prejudica a comunicação principalmente em domínios técnicos, área em que as expressões multipalavras são frequentemente mais usadas. Os exemplos de expressões multipalavras variam desde os mais simples e corriqueiros ("dar uma palestra", "fazer - ou 'dar' - uma demonstração", "usar uma expressão", etc.) aos mais complexos como os compostos nominais ("lugar-comum", "quartel-general", "igreja matriz", etc.) e as frases institucionalizadas
As frases institucionalizadas são as expressões multipalavras que requerem mais atenção. "Institucionalizar" uma ideia é estabelecê-la como se fosse uma realidade indiscutível. Numa redação, você terá que revelar suas convicções de modo que não permita que elas possam ser interpretadas como "não discutíveis", como quem não aceita opiniões diferentes. Ao mesmo tempo, você tem que argumentar suas convicções. Infelizmente, muitos professores ensinam que isto tem que ser feito, mas raramente como o aluno pode fazê-lo. No Redafácil, tanto quanto for possível, tento esclarecer essas coisas. Por isto, fara facilitar nessas orientações, peço-lhes que enviem suas perguntas, e eu exporei aqui as respostas.  

Argumentos são para argumentar, não para convencer.

O argumento 
é a defesa
de um ponto de vista,
mas não tem que ser 
uma comprovação.



A ilustração do cartunista norte-americano Bryan Ridgley nos dá um excelente exemplo de argumentação: um dos personagens aponta para as peças de madeira afirmando que são quatro e o outro faz o mesmo afirmando que são três. De fato, se você olha para os desenhos das peças observando cada extremidade, você vê quatro de um lado e três do outro. Quantas pessoas de madeira estão ali? O critério para responder a esta pergunta é seu. É a isto que se chama "argumentação".
Há artigos em sites sobre redação que ensinam que o objetivo da argumentação é convencer o leitor, fazê-lo concordar com sua opinião sobre o tema abordado. Isto não é correto. Bryan Ridgley diz que a realidade pode ser tão complexa que observações a partir de diferentes perspectivas podem ser igualmente válidas mesmo se forem aparentemente contraditórias. Ele tem razão. As pessoas interpretam a realidade como elas a veem.
O elemento mais importante da redação é a lógica. A lógica é a demonstração do uso de raciocínio com bons fundamentos. Como eu disse em "As Diferenças entre 'Argumento' e 'Argumentação'", a lógica é a forma como o autor da redação defende sua opinião. No entanto, o argumento, que é a parte mais importante da lógica, deve apresentar proposições que conduzam o leitor à conclusão. Isto não significa que os argumentos devam ser elaborados para "convencer" o leitor, e sim para que ele entenda as razões da opinião do autor. As frases que compõem os argumentos não precisam ser colocadas como "verdades indiscutíveis", posto que verdades indiscutíveis não existem. Elas apenas precisam conter pontos de vista bem fundamentados.

Poemas e Poesias

Há redações
em prosa e versos.

Poemas, poesias e sonetos também são redações. Entretanto, quando eu digo "poemas e poesias", às vezes alguém me pergunta se um poema não é uma poesia. Pode ser, mas nem sempre é.
Começo a explicar isto mencionando a prosa. Esta é um tipo de redação em que simplesmente são usadas expressões naturais da linguagem. Ou seja, linguagem popular, mas não muito informal e sempre correta sob o ponto de vista gramatical. Um verso é cada uma das linhas que compõem uma estrofe num poema. Uma estrofe é cada uma das partes do poema. O exemplo abaixo é um poema de Vinicius de Moraes. Ele contém duas estrofes.

Tomara

Que a tristeza te convença
Que a saudade não compensa
E que a ausência não dá paz
E o verdadeiro amor de quem se ama
Tece a mesma antiga trama
Que não se desfaz

E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais...

Na poesia, a linguagem tem finalidades geralmente críticas, embora haja também o cuidado com a estética do texto. Nela, o poeta revela seu modo de ver as coisas reais (objetos materiais, sentimentos, crenças, acontecimentos, etc.) sem deixar de recorrer aos aspectos metafísicos. A metafísica é um ramo da filosofia pelo qual se descrevem fundamentos, condições, causas e princípios - evidentemente, tudo isto sob o ponto de vista do poeta, que retrata, à sua maneira, a finalidade da realidade como um todo.
Através da poesia, o autor sugere emoções por meio de uma linguagem que combina sons, ritmos e significados. Poema e poesia não são a mesma coisa, mas o poema é um tipo de poesia em que a palavra é tratada como matéria prima básica para retratar a mensagem contida na poesia. Como a palavra é tratada desta forma, pode-se dizer que há poesia também até mesmo em certas redações dissertativas argumentativas. Isto depende da forma como o autor expressa seus sentimentos através das palavras que usa e como ele as usa, tanto para expor suas observações sobre o tema quanto para transmitir seus argumentos.  

Como fazer redações sobre as reformas trabalhista e previdenciária?

As duas reformas 
que dominaram polêmicas
em 2017
constituem ótimos temas
para redações.


No Brasil, os alunos do ensino médio estão aproveitando as férias escolares de verão, mas isto não é motivo para deixarem totalmente de estudar. Mesmo durante suas férias, muitas coisas importantes acontecem e são debatidas no país, e eles têm que estar atentos a isto. O ano de 2017 terminou com perspectivas nada animadoras para 2018, e algumas delas têm muito a ver com as reformas trabalhista e previdenciária, que dominaram as principais discussões durante o ano passado. 
Isto faz com que os dois assuntos se tornem excelentes temas para vocês, estudantes, treinarem fazendo redações em casa. Procurem saber tudo o que puderem sobre eles, pois deles partirão outros fatos que certamente serão potenciais temas para o próximo Enem, vestibulares e eventuais concursos públicos. Seguem abaixo algumas "dicas" para vocês iniciarem suas pesquisas.
As redações feitas no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) e nos vestibulares têm que ser dissertativas e argumentativas. Ou seja: o participante tem que dissertar o tema e apresentar argumentos. "Dissertar" é expor o assunto de modo explicativo. No texto, você terá que demonstrar o que sabe sobre ele por meio de explicações. Como a redação também terá que ser argumentativa, isto significa que o autor do texto terá que demonstrar sua capacidade de opinar sobre o tema e fundamentar sua opinião. Portanto, o participante das provas terá que saber alguns detalhes básicos sobre o tema. 

"Reforma" é uma mudança ou um conjunto de mudanças feitas para melhorar algo, para obter melhores resultados. A reforma de uma casa, por exemplo, é um trabalho realizado por profissionais em construção para melhorar as estruturas, as instalações elétricas e hidráulicas, tornando a casa um ambiente mais agradável e mais seguro. Nos âmbitos governamentais, ocorrem a reforma tributária, que visa adequar a carga tributária às necessidades do país, do estado ou do município; a reforma jurídica, que busca melhorar o sistema judiciário; etc. As reformas mais polêmicas que começaram a ser discutidas em 2017 dizem respeito às áreas trabalhista e previdenciária. Por isto, são de altíssima importância como temas para as próximas redações.
A Reforma Trabalhista de 2017 foi uma mudança ocorrida nas regras da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), uma lei que se refere a direitos e obrigações dos trabalhadores. Isto, por si só, já explica a razão de tamanha polêmica. Prestem atenção especial a esta palavrinha: trabalhismo. Ela representa a essência de toda essa discussão. O trabalhismo é um conjunto de regras relacionadas às situações econômicas dos trabalhadores. No Brasil, ela está estritamente relacionada à política, pois o trabalhismo brasileiro começou em 1948, quando foi fundado o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), ao qual pertencia o então presidente da República, Getúlio Dornelles Vargas. Desde então, tem sido a principal vertente dos partidos esquerdistas do Brasil, principalmente durante as décadas de 1950 e 1960. 
Segundo o governo atual, o objetivo da nova reforma é combater o alto índice de desemprego e a crise econômica nacional, ainda hoje a mais grave na história da economia brasileira. O projeto foi proposto pelo presidente Michel Temer e apresentado por ele à Câmara dos Deputados Federais (Câmara Federal) em dezembro de 2016. Tramitou no Congresso (Câmara Federal e Senado) desde então, causando sucessivas discussões. O projeto teve várias modificações, sendo a principal a proposta que trouxe o fim do imposto sindical, cujo autor foi o deputado federal Paulo Eduardo Martins, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).  O imposto sindical - também chamado "contribuição sindical" - era obrigatoriamente pago por todos os empregados e profissionais liberais, mesmo os que não eram associados a sindicatos.
A Reforma Previdenciária começou a ser discutida também devido a um fato ocorrido em 2016. Foi quando entrou em tramitação no Congresso a PEC 287/2016. "PEC" é a sigla para "Proposta de Emenda Constitucional. É, portanto, um documento que visa mudanças específicas nas leis estabelecidas pela Constituição Federal. Neste caso, a proposta é para alterar o sistema previdenciário, alterando regras para obtenção de aposentadoria. A justificativa apresentada pelo governo é de que a expectativa da média de vida da população brasileira (75 anos e meio) leva à tendência de redução da população em idade ativa (capaz de trabalhar). Por isto, essa PEC estabelece que todos os trabalhadores (exceto os militares) se aposentem aos 65 anos (homens) e 62 anos (mulheres) com benefícios cujos valores se limitem ao máximo de R$ 5.331,00 ("Teto" do Instituto Nacional de Seguridade Social - INSS). A proposta também aumenta o tempo de contribuição para 40 anos para que o trabalhador tenha direito à aposentadoria integral (valor igual ao do último salário).
Esses dados já são suficientes para você iniciar a base de sua redação. Pesquise mais a respeito. Leia as notícias a respeito nos jornais, assista às reportagens nos telenoticiários, etc. Enfim, informe-se. "Estudar" não é apenas se dedicar a aprender matérias dadas em salas de aula, é também manter-se sempre bem informado sobre tudo que ocorre em seu país e no mundo, pois esta será uma das principais complementações para sua formação profissional e principalmente social.