Caros leitores:

Constantemente faço modificações no Redafácil porque elas sempre são necessárias, inclusive para facilitar o acesso às postagens e a leitura. Suas opiniões e suas sugestões são muito importantes para mim. Vocês podem expô-las nos espaços para comentários abaixo das postagens.

Grato pela sua colaboração.

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

A Linguagem Mais Adequada na Redação

A linguagem tem que ser
adequada para a finalidade da redação. 


Numa redação, é preciso considerar o que se chama correção de linguagem. Para isto é importante lembrar que a linguagem é o sistema que uma pessoa usa para se expressar através da fala ou da escrita. Num conceito mais simples, é a forma pela qual uma pessoa se expressa.
O conceito de correção da linguagem é vinculado a padrões de língua culta e, por isto, geralmente se relaciona a regras gramaticais. Entretanto esse conceito de correção, no caso de uma redação como a exigida no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), obrigatoriamente recebe uma inevitável flexibilidade que o transforma em adequação da linguagem. 
Isto acontece porque, numa redação, a linguagem deve ser adequada ao tema, ao leitor, à situação, etc. A linguagem a ser usada depende de fatores individuais, influências da língua popular (embora na redação gírias e termos chulos devam ser evitados) e interferências de diferenças regionais e locais. É para evitar possiveis problemas provenientes destas dependências que existe a gramática. 
Nestes casos, a gramática é uma disciplina normalizadora. As regras gramaticais orientam estabelecendo critérios para a obtenção de um bom desempenho linguístico. Esses critérios são quanto a:

- Emprego do plural.
Deve-se estar atento quanto ao uso correto do plural e às concordâncias verbais e nominais. Merecem especial atenção os nomes compostos.

- Emprego dos gêneros.
Refere-se ao uso correto dos gêneros masculino e feminino.

- Formas verbais. 
Refere-se ao uso correto dos verbos e suas variações.

- Formas pronominais. 

Refere-se ao uso correto dos pronomes.

É importante salientar que o uso de pronomes pessoais oblíquos e de tratamento exige atenção especial. Eles têm complexidades muito peculiares. Há outros artigos sobre isto no Redafácil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!