Caros leitores:

Constantemente faço modificações no Redafácil porque elas sempre são necessárias, inclusive para facilitar o acesso às postagens e a leitura. Suas opiniões e suas sugestões são muito importantes para mim. Vocês podem expô-las nos espaços para comentários abaixo das postagens.

Grato pela sua colaboração.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

O que é o maneirismo numa redação?

"La Pietà" ("A Piedade"),
escultura do italiano
Michelangelo Ludovico Buonarroti Simoni,
mais conhecido como "Michelangelo" (1475-1564). 
O maneirismo não é
apenas um estilo artístico
da Idade Média. 
Ele é também 
encontrado em redações.




"Cristo no Mar da Galileia",
obra do pintor italiano "Tintoretto",
cujo nome verdadeiro era Jacopo Robusti.
Ele a produziu entre 1575 e 1580.
Quando eu menciono o maneirismo como um estilo redacional, algumas pessoas questionam sobre isto. Esta é uma tendência natural, considerando-se que a palavra está relacionada a um movimento artístico-cultural ocorrido na Europa medieval. "Maneirismo" é o nome dado a um estilo e a um movimento desenvolvidos na Europa entre 1515 e 1600 para destacar valores clássicos e naturalistas prestigiados pelo Humanismo durante a Renascença. São exemplos de obras maneiristas as que aparecem nas ilustrações deste artigo. O Humanismo era uma corrente filosófica que colocava os seres humanos como elementos principais na escala de importância de tudo que existia no mundo. A Renascença, também conhecida como "Renascimento" ou "Renascentismo", foi um período histórico da Europa do século XIV ao século XVI, que evidenciou a importância da facilidade de acesso à cultura para todas as pessoas, independentemente de diferenças sociais e econômicas.
Como movimento artístico-cultural, o maneirismo é mais estudado como manifestação na pintura, na escultura e na arquitetura da Itália. Isto é bem compreensível, pois foi naquele país que o movimento começou, e onde exerceu maiores influências através das obras de Michelangelo, Tintoretto, Leonardo Da Vinci, etc. Entretanto, o movimento influenciou outras artes e culturas, e seus traços ainda são evidentes mesmo entre nós. Caracteriza-se pela sofisticação intelectualista e principalmente pela valorização das interpretações individuais. No caso de uma redação, destaca-se a opinião de quem escreve em relação ao tema abordado, visando conseguir a atenção do leitor sem perder a elegância. Numa redação, o maneirismo também é marcado por uma aparente contradição que geralmente é intencional exatamente para destacar a opinião pessoal.
Desta forma, tal como nas outras artes, o maneirismo numa redação se manifesta exatamente tal como a própria palavra "maneirismo" nos sugere. Ela deriva da palavra italiana "maniera" (em português, "maneira"), identificando o estilo do autor. Anteriormente visto como uma fase de decadência do ciclo das artes renascentistas, atualmente o maneirismo, revigorado através das redações, notadamente nas obras literárias como as do brasileiro Paulo Coelho ("O Alquimista", "O Monte Cinco", etc.), revela-se como estilo autônomo, com valor próprio. Sua influência nas redações é tão profunda que chega a contribuir para significativas mudanças na política, na economia, na cultura e na religião. Pode-se dizer, portanto, que o maneirismo atualmente se evidencia muito nas redações jornalísticas, que no Brasil vem causando grandes polêmicas sobretudo em relação a ocorrências políticas.
O maneirismo também se destaca nas redações colegiais, já que no ensino médio e em vestibulares as redações mais exigidas são descritivas, narrativas e dissertativas. Na redação descritiva, o autor faz descrições. Na narrativa, ele faz uma narração. Na dissertativa, ele apresenta argumentos propondo uma discussão. Nos três casos, são inevitáveis as opiniões pessoais. Para saber mais sobre esses tipos de redação, clique aquiaquiaqui e aqui.

Fontes: 
  • Almanaque Abril/Mundo - 2001 - Editora Abril, São Paulo, SP (Brasil)
  • The World Almanac - The World Almanac Publishers - Estados Unidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!