Caros leitores:

Constantemente faço modificações no Redafácil porque elas sempre são necessárias, inclusive para facilitar o acesso às postagens e a leitura. Suas opiniões e suas sugestões são muito importantes para mim. Vocês podem expô-las nos espaços para comentários abaixo das postagens.

Grato pela sua colaboração.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

36 - Erros gramaticais diários e bem nítidos nos telejornais e jornais quase todos os dias. O que vocês acham disso?

As mulheres costumam
ser mais cuidadosas
quanto ao uso correto da linguagem. 

O título do artigo foi a pergunta que deixei em aberto para uma discussão em meu perfil no Linked In há alguns dias. Até as 22h30m de hoje (segunda-feira, 27 de junho de 2011) houve 50 respostas dadas por 16 pessoas (algumas deram duas ou três respostas), sendo nove homens e sete mulheres. A maioria, tanto entre os homens como entre as mulheres, é constituída por profissionais de comunicação social (jornalistas, relações públicas, assessores, etc.).
Todas as mulheres concordaram que são nítidos os erros gramaticais cometidos por jornalistas na televisão e acrescentaram em seus comentários que isto vem ocorrendo com grande frequência nos jornais impressos, online e revistas - mesmo as mais conceituadas. Entre os homens, seis concordaram e três disseram que não há tantos erros assim, o que confirma que as mulheres costumam ser mais exigentes e criteriosas quanto a este problema.
Um dos jornalistas que discordaram disse que muitos erros são cometidos apenas na digitação, não porque o jornalista escreve errado. Além disto, ele afirmou que mutis "erros" denunciados por algumas pessoas não são erros de fato, mas por causa das diferenças entre palavras como "por" e "pôr". Eu lembrei a ele que essas palavras, embora semelhantes, gramaticalmente não são as mesmas. Uma delas ("por") é uma preposição que substitui expressões como "através de", "por meio de", etc., em casos como "feito por mim", "transmitido por satélite", "viagem por rodovias", "enviado por correio", etc. A outra ("pôr") é um verbo com o mesmo significado de "colocar". Entretanto, como ele citou como exemplo as diferenças entre as palavras por uma delas ter um acento circunflexo e a outra não ter acento, pareceu-me que ele não entendeu a pergunta que fiz. A pergunta era sobre erros gramaticais em telejornais - ou seja, falados, e não escritos. Ficou claro que ele confundiu "gramática" com "ortografia".
A gramática é um conjunto de regras definidas para o uso de um idioma, tanto na forma orla como na escrita. A ortografia é simplesmente a forma de se escrever as palavras. Um jornalista, relações públicas, publicitário, etc. tem a obrigação de saber essa diferença, e precisa ter em mente que o uso da linguagem de forma popular, mas ao mesmo tempo correta ("linguagem popular" não significa "linguagem incorreta"), faz parte das suas obrigações profissionais. Ele é visto como um formador de opinião, ou seja, um influenciador de opiniões. Ele é um profissional de comunicação social, o que significa que, além de informar fatos à sociedade em geral, tem a obrigação de dar o máximo de sua contribuição para a preservação e a elevação da cultura. Para isto, ele precisa ter o conhecimento mais aprofundado possível do idioma que ele mesmo fala. 
Constantemente, surgem repórteres nos tele noticiários dizendo frases como esta: "O número de habitantes do país mais do que dobrou nos últimos 10 anos." Além de ser desagradável para a maioria dos que a ouvem, a expressão "mais do que dobrou" é, na minha opinião, inadmissível, já que existe uma outra forma muito melhor e até mais fácil de ser dita, além der correta: "O número de habitantes do país superou o dobro nos últimos dez anos."
Um jornalista chegou a dizer que, mesmo sabendo escrever  e falar corretamente, ele prefere escrever de forma incorreta para ser melhor entendido por seus leitores. Isto é uma absurda falta de respeito ao leitor. Isto é uma ofensa ao leitor, pois o jornalista está dizendo a ele: "eu escrevo e falo errado porque se eu escrever e falar certo você não me entenderá." 
O pior é que os problemas não se restringem apenas ao uso gramaticalmente inadequado. Há casos em que os próprios repórteres não tem informação totalmente correta sobe o que eles mesmos nos informam. Por exemplo:
Em vários tele jornais e jornais impressos, o BRIC tem sido citado como um "bloco econômico". É um grande equívoco. Um bloco econômico é um conjunto de países de uma mesma região (exemplo: o Mercosul, integrado por Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela) que se unem por decisão conjunta de seus próprios governos, tendo como principal objetivo a queda de tarifas alfandegárias para facilitar a introdução de seus bens e serviços no mercado internacional. O BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) é apenas um conjunto de países citados por uma instituição financeira dos Estados Unidos, a Goldman Sachs, como os que mais se destacaram entre os emergentes nos últimos 10 anos.  
Há jornalistas, publicitários e outros profissionais de comunicação social de nível excelente? Sim, claro que há. Porém, muitos "jornalistas" que estão ocupando cargos em empresas de informação precisam passar por uma reformulação urgente. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!