Caros leitores:

Constantemente faço modificações no Redafácil porque elas sempre são necessárias, inclusive para facilitar o acesso às postagens e a leitura. Suas opiniões e suas sugestões são muito importantes para mim. Vocês podem expô-las nos espaços para comentários abaixo das postagens.

Grato pela sua colaboração.

domingo, 16 de outubro de 2016

Os Tipos de Discursos

Há dois tipos diferentes.
O  "terceiro tipo"
é uma fusão entre os dois.

Se você ainda não leu o artigo anterior a este, sugiro que o leia, pois este é uma sequência. Se você já leu o anterior, já sabe algo sobre as diferenças e semelhanças entre a língua, a linguagem e o discurso e que há necessidade do cuidado para não confundir "discurso" com "linguagem".
O discurso o discurso utilizado na redação para dar informações expressando pontos de vista sobre os fatos. Entretanto o tipo de discurso varia segundo a intenção ou o objetivo quem escreve. Por isto convencionou-se estabelecer o que chamam de três tipos, mas na verdade são dois. O outro é uma fusão dos dois.
O discurso direto transmite a autenticidade do pensamento de forma muito espontânea. Nele o autor assume a responsabilidade pelo que é dito. O autor da redação se torna, ao mesmo tempo, narrador e personagem principal da narração. Ele assume sua responsabilidade pelas informações e opiniões contidas no texto mesmo quando estas são baseadas nas de outra pessoa. Neste tipo de discurso, são comuns as informações como "ele disse: isto é assim". No discurso indireto, o autor da redação interfere no que a pessoa disse, acrescentando comentários como "ele disse que isto é assim mas não apresentou justificativas". Em resumo: no discurso direto assume-se o lugar da pessoa mencionada simplesmente citando o que ela disse ou fez; no indireto, interpreta-se o que a pessoa disse ou fez por meio de uma conotação. 
O terceiro tipo, chamado "indireto livre" é, como eu já disse, o uso dos outros dois ao mesmo tempo. Há nele um misto de citações de outras pessoas e da intervenção do autor nessas citações, mas sem sinais que revelem a mudança de discurso. No discurso indireto livre o autor apresenta as ideias de outras pessoas e as suas próprias de um modo que pode confundir o leitor. Há uma aderência entre o autor e a pessoa citada. Para a confusão ser evitada, é preciso saber destacar as principais orações com discurso direto, diferenciando a "fala" do narrador da "fala" da outra pessoa sem evidentes sinais gráficos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação!